Thomas Gorbach



 Thomas Gorbach | Concertos

Lisboa Incomum, 19h30

29 Abril + 30 Abril + 1 Maio


O Festival DME tem a honra de anunciar a residência artística do compositor austríaco Thomas Gorbach em Portugal, entre os dias 26 de Abril e 3 de Maio de 2022. 

Thomas Gorbach estará em digressão entre Lisboa (FBAUL, ISEL e ESML) e Castelo Branco (ESART) para dar uma série de conferências, adicionando ainda ao seu percurso um Workshop de Espacialização e três concertos no Lisboa Incomum. 

As reservas para o concerto devem ser feitas através do email [email protected] Entrada gratuita. 


Thomas Gorbach
... cresceu numa pequena aldeia nas montanhas com os sons cintilantes do acordeão do seu irmão, os sons naturais do ambiente em redor, os quatro sinos da igreja católica local e os sons mutáveis de um sintetizador. Estudou música clássica na Suíça e música eletroacústica na Universidade de Música e Artes Cénicas de Viena. Em 2007, fundou a primeira série de concertos de música acusmática na Áustria e estabeleceu o primeiro acousmonium austríaco com a associação de concertos THE ACOUSMATIC PROJECT. Organiza várias atividades de ensino, instalações sonoras, o projeto de investigação PEEK, actividades de concertos internacionais e tem ainda uma bolsa institucional para composição 2020.


Programas

29 Abril, 19h30

Debris Project

Moon Song - Didem Coskunseven (France/Turkey)*

Debris - Dariush Derakhshani (Germany/Iran)*

De faux échos - Stylianos Dimou (Greece)*

Jardín de luz - Iván Ferrer (Mexico/Spain)*

Free Flow - Mariam Gviniashvili (Georgia/Norway)*

DBRIS - Kyoka Matsuzawa (Japan/Germany)*

Textures Arc The Points - David Quang-Minh Nguyen (USA)*

 Metamorphosis -Bihe Wen (China)*

* Notas de Programa em baixo

Intérpretes: Thomas Gorbach e Angela Lau**

30 Abril, 19h30

Lisa - Martina Claussen*

Viola Sylvestris - Thomas Gorbach*
voz: Claudia Haber

Impact from Mars - Thomas Gorbach*

MISTO - Alla Zagaykevych (Ukrain)*
voz: Viktoriia Vitrenko (Sopran)
Live in Kyiv/2018 

* Notas de Programa em baixo


1 Maio, 19h30

Concerto Final com os Alunos do Workshop de Espacialização




Moon Song - Didem Coskunseven (France/Turkey)

Como músico e compositor que passou toda a sua infância e adolescência a ouvir as bandas britânicas e a sonhar em fazer música de banda, Moon Song é inspirado na letra de Pyramid Song e Sail to the Moon de Radiohead*. É uma canção imaginária para acompanhar os seus movimentos lunares nos seus sapatos lunares e a sua bebida lunar no bar lunar. Todos os teus amantes estão lá contigo, todo o teu passado e futuro e estás prestes a ir para o céu num pequeno barco lunar, não há nada a temer e nada a duvidar. 

* Pyramid Song 
 
I jumped in the river and what did I see?
Black-eyed angels swam with me
A moon full of stars and astral cars
All the things I used to see
All my lovers were there with me
All my past and futures
And we all went to heaven in a little row boat
There was nothing to fear and nothing to doubt
I jumped into the river
Black-eyed angels swam with me
A moon full of stars and astral cars
And all the things I used to see
All my lovers were there with me
All my past and futures
And we all went to heaven in a little row boat
There was nothing to fear and nothing to doubt
There was nothing to fear and nothing to doubt
There was nothing to fear and nothing to doubt
 
* Sail to the Moon
 
I sucked the moon
I spoke too soon
And how much did it cost?
I was dropped from
Moonbeams
And sailed on shooting stars
Maybe you'll
Be president
But know right from wrong
Or in the flood
You'll build an ark
And sail us to the moon

Sail us to the moon
Sail us to the moon
Sail us to the moon

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
A síntese por concatenação é o ponto de partida da peça para basear a composição dos meus próprios materiais a partir das amostras de Debris. Após este processo inicial, utilizei várias técnicas de DSP, tais como  a filtragem, a síntese granular, a espacialização e a re-ampagem com engrenagens analógicas.


Debris - Dariush Derakhshani (Germany/Iran)

Encomendada por Roberto Alonso Trillo, Debris é um projecto único na medida em que todos os sons brutos que me foi permitido utilizar foram fornecidos pelo próprio Roberto antes do início da composição. Com pouco mais de duas mil amostras de violino - de um segundo a cinco minutos - a etapa inicial de composição começou com a selecção, categorização e junção destas amostras em oito categorias, cada uma contendo dez a vinte amostras prontas para serem processadas. 

O meu método de processamento de som evoluiu ao longo dos anos para uma abordagem mais mãos-livres com a ajuda de Super Collider (um software gratuito e de código aberto que permite ao compositor utilizar código e algoritmos para manipular e sintetizar sons. Ao usar o Super Collider, fui capaz de aplicar procedimentos estocásticos aos meus ficheiros áudio pré-seleccionados e manipular, combinar, orquestrar e espacializar os sons sem saber exactamente qual seria o resultado. Isto significa que para cada frase musical ouvida na peça, há horas de gravações multicanais dessa mesma frase que não chegaram à mistura final. Para cada frase musical, concebi uma ideia geral pelas suas características e forma geral antes de começar a escrever o código gerador do material sonoro. Como exemplo, escrevi um código chamado 'Dropped Glass' que gerou os sons ouvidos em torno da marca de 1'45". Este código pede ao SuperCollider para navegar por algumas das minhas amostras de violino categorizadas, seleccionar aleatoriamente entre dez a vinte amostras, granular estocasticamente e espalhar estes sons no espaço, e finalmente passá-lo por um filtro de passagem de banda para alterar completamente o timbre do som original. Este processo foi repetido e gravado durante algumas horas, o que me deu algumas centenas de frases musicais para escolher para a mistura final. Acabei por codificar cinco frases musicais diferentes com características contrastantes ("Dropped Glass" sendo uma delas) para ser utilizada para esta peça. Com mais de sete horas de gravações totais, passei ao passo mais complexo e exigente que era seleccionar uma ou duas frases (de entre centenas) para cada categoria musical. Isto significava abandonar cerca de sete horas de sons arrebatadores para aquilo a que eu chamo os 'momentos sublimes' nas minhas gravações. Debris é uma colecção destes momentos que fluem de um para outro tentando narrar uma história usando sons que todos contêm o toque de Roberto ao tocar o violino no seu âmago. 

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
A síntese granular é a técnica predominante neste trabalho de processamento de amostras de violino pré gravadas .Spray sonoro, nuvens, micro montagem e granulação de ordem superior são técnicas  relacionadas com a síntese granular que foram aplicadas nesta peça  peça.


De faux échos - Stylianos Dimou (Greece)

De faux échos é uma composição acusmática que explora as dimensões do timbre  do material sónico gerado por IA. A peça  formula um contínuo de espaços tímbricos sobrepostos que compreendem sons que foram sujeitos a várias abordagens de re-síntese e transformação espectral. A tela sónica da peça revitaliza as falhas sónicas das amostras áudio geradas por IA, tais como ruído e falhas irritantes, e concentra-se nas narrativas criativas que estão profundamente enraizadas neste material. A exploração da aspereza ruidosa em favor da recuperação de nuances sonoras escondidas que podem ser potencialmente valiosas na concepção da música condicionou tanto as minhas escolhas artísticas como a natureza das ferramentas DSP que foram concebidas e utilizadas ao longo das fases criativas da peça. A peça é calorosamente dedicada a Roberto Alonso Trillo e apoia as investigações criativas do PROJECTO DEBRIS.  

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Síntese granular, síntese de modelagem física, Super-VP (Super Phase Vocoder); multi-estiramento temporal, filtragem, espacialização, micro e macro-montagem, re-síntese de amostras de violino geradas por IA.


Jardín de luz - Iván Ferrer (México/Espanha)

Jardín de luz (jardim de luz) foi criado a partir da base de dados de som do Projecto Debris. Criei um algoritmo que, com base em alguns descritores musicais, fez uma selecção das amostras - entre mais de 2000 - que podem ser consideradas - para o propósito do meu projecto - como "musicais". Usando várias técnicas de amostra, criei algumas sequências maiores usando diferentes técnicas de amostra e síntese. Com estas sequências defini uma nova categoria: os híbridos. Alguns deles foram novamente re-sintetizados, criando novos passos nessa mesma categoria. Normalmente, quando crio uma nova peça, decido os elementos que farão parte dela. Neste caso, todos os materiais tinham de vir da base de dados Debris; por isso, considerei a tarefa como uma espécie de desenho paisagístico ou jardinagem. Assim, o meu trabalho foi conhecer os espécimes contidos nas diferentes categorias do subconjunto que criei, e colocá-los cuidadosamente no espaço acústico para desenhar algo que, como muitos jardins, inclua referências ao mundo exterior, e.gr., uma homenagem à fantástica compositora Beatriz Ferreyra e à sua peça Dans un point infini; a poesia dada; John Oswald e a sua pilhagem; Elsa Justell e a sua soberba peça Chi-pa-boo, etc. A ideia de um jardim de luz provém da observação de como a luz transforma a percepção de um lugar. Um jardim ao meio-dia com a luz do Verão não é o mesmo que ao meio-dia com a luz do Inverno; ou no mesmo mas ao anoitecer. Portanto, a luz é um elemento muito importante a considerar quando projecta um jardim. Neste caso, a iluminação é uma metáfora da disposição e concentração do espírito para ouvir.

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Frippetronics, beat juggling, espacialização no domínio do tempo e da frequência, síntese granular, síntese estocástica, parafusamento, chilrear, alongamento do tempo, reamostragem.


Free Flow - Mariam Gviniashvili (Geórgia/Noruega)

FREE FLOW é uma peça multicanal de electrónica fica baseada em amostras de violino gerado por IA da base de dados de som do Projecto Debris, que contém milhares de amostras de duração e carácter variáveis. Nestas gravações, concentrei-me principalmente nos ruídos, falhas, e sons distorcidos que formam a base da peça. Com o material seleccionado, criei um mundo sonoro que é o oposto do que um violino produziria naturalmente - poderoso, rico em texturas, avassalador, severo, e agudo. Deixei que o material sonoro me guiasse através do processo de composição, e moldasse a forma e dramaturgia da peça num fluxo livre.
A obra foi encomendada por Roberto Alonso Trillo.

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Montagem, Stretching, Transposição, alteração de formastes, Filtragem, Distorção, Spectral Freezing e granulação espectral, e técnica Ambisónica para a espacialização.


DBRIS - Kyoka (Japão/Alemanha)
 
Este som é concebido juntamente com algumas pesquisas e teorias sobre o cérebro, neurociência e as suas relações com a consciência e a memória humana.
Consciência e memórias poderiam facilmente ser fantasia. Por exemplo, quando alguém reescreve a memória, nunca saberemos o que era real. Assim, continuo a tentar compreender profundamente o sistema cerebral simples em si, de forma neutra. Este é o motivo da minha abordagem... "As coisas podem ser factos ou ficção a sério, ao mesmo tempo. Se assim for, vamos aprender neutralmente o sistema do próprio cérebro para termos uma oportunidade de ver a novíssima definição entre fantasia e facto, logicamente".
Quanto a esta peça para o projecto Debris, o algoritmo de padrões utilizados são os chamados repetições/batidas seguras e confortáveis para que o nosso cérebro poupe o consumo de energia, mas por vezes com detritos a acontecer ou desconfortáveis elementos como os erros. Neste momento, tu/cérebro tende a ouvir profundamente a música para tentar ter os novos padrões de previsão.

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Handmade-ish efeitos de síntese granular por camadas de ondas sonoras semelhantes em pistas, colocando as mesmas ondas sonoras em faixas de edição física e manual.
Compreensão do fenómeno básico / primitivo e a teoria da síntese granular. Como a forma como a micromontagem, micro-som, nuvem, reverberação, eco, interferência de ondas, tempo, distância, frequência, uivar entre programas e controlar as fases estão a aparecer.
Algumas técnicas que obtive através da pesquisa de ondas cerebrais, e a sua relação com a consciência são também utilizadas  como algoritmos de padrões e batimentos.
Atrasos e relações de fases, filtragem, granulação, micro-montagem, espacialização de Timbre, manipulação reverberante, amplitude de amplitudeFrippetronics, malabarismo, espacialização no domínio do tempo e da frequência, síntese granular, síntese estocástica, aparafusamento, chilrear, alongamento do tempo, reamostragem.


Textures Arc The Points - David Quang-Minh Nguyen (EUA)
 
Textures Arc The Points é dedicado ao meu falecido professor Mark Chambers, que era um grande compositor  introspectivo em relação à música. Agradeço por me ter apresentado ao mundo de "Spectra e Pixies" e ao mundo da electrónica.
Textures Arc The Points foi encomendado pelo Projecto Debris; utilizando som unicamente da sua base de dados.
Englobando os muitos pontos, uma vez que estes materiais conglomeram dentro do avião
A matéria como figurativa e externa
Os conglomerados encobrem os arcos
A serpentear através do fluxo, por vezes com extremo exagero
Fluxo que nunca mais é o mesmo
Como o fluxo é constituído por elementos impermanentes
Material cíclico que ocorre "uma vez"; uma qualidade efémera
Muitas vezes injusto
Endurecer com um ritmo interior de
Texturas de um movimento fantasmagórico
Envoltos pela aglomeração dos pontos
Resistimos através da percepção de, não da forma, mas sim
Render o fluxo
E responder ao material "através"

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Delays e relações de Fase, Filtragem, Granulação, Micro Montagem, Especialização de Timbre, Manipulação de Reverb, Panorâmica de Amplitude


Metamorphosis - Bihe Wen (China)

DSP utilizado, amostra , Técnicas de modelagem  (sistema de pontos):
Técnicas de reamostragem, parâmetros de automação


Sobre o Projecto DEBRIS:

Roberto Alonso & Marek Poliks
Didem Coskunseven, Mariam Gviniashvili, Kyoka, Dariush Derakhshani, David Q. Nguyen, Bihe Wen, Stylianos Dimou, Iván Ferrer Orozco

Música electrónica multicanal
Sistema de alti-falantes octofónicos
Demiurge synthesis engine

Um conjunto de composições electrónicas baseadas nos materiais gerados pelo mecanismo de síntese Demiurge, uma plataforma de aprendizado de máquina musical composta por uma arquitetura de rede neural tripartida desenvolvida por Roberto Alonso, Marek Poliks e uma equipa de colaboradores da Universidade Batista de Hong Kong.

As fronteiras fluídas do Debris movem-se entre discussões teóricas vinculadas que vão desde a arqueomusicologia ao novo materialismo, da consideração de agência e mediação a uma compreensão de Debris como uma montagem deleuziana, como uma constelação adorniana, como uma exemplificação de inteligência de enxame ou como uma plataforma com a sua própria topologia de rede.

Essas interações entre humanos, concebidas como narrativas sobrepostas, descendentes do que vemos como formas onipresentes de xenobestialidade, foram geradas por Didem Coskunseven (França/Turquia) / Mariam Gviniashvili (Geórgia/Noruega) / Kyoka (Japão/ Alemanha) / Dariush Derakhshani (Alemanha/Irã) / David Q. Nguyen (EUA) / Bihe Wen (China) / Stylianos Dimou (Grécia) / Iván Ferrer Orozco (México/Espanha).



30 de Abril | 19h30 | Notas Programa:

Lisa - Martina Claussen

A principal fonte sonora da peça "Lisa" é a voz humana. Ocorre em relação à electrónica, é transposta, distorcida e, por fim, alienada para além do reconhecimento. 
Novos espaços acústicos surgem através de um diálogo entre voz, sintetizador e objectos sonoros, o que permite uma grande variedade de associações. 

Sobre Martina Claussen:
A compositora e cantora Martina Claussen explora e combina sons de vozes, objectos sonoros, electrónica analógica e digital. Explora ainda o espaço, a performance e no processo desenvolve constantemente o seu próprio "guião sonoro" distinto.
Estudou computer music e electronic media na Universidade de Música e Artes do Espectáculo em Viena, voz no MUK Viena e composição na Universidade Privada Anton Bruckner em Linz. Apresentou-se em espectáculos e concertos em festivais internacionais, tais como: Ars Electronica, Wien Modern, Festival Futura (Crest-France), Festival Acousmatic Festival St.Petersburg e o Festival de Música Electroacústica da Cidade de Nova Iorque. Desde 2009 que é professora de canto clássico na Universidade de Música e Artes do Espectáculo de Viena.


Viola Silvestris - Thomas Gorbach

voz: Claudia Haber
Encomenda de Gesäuse National Park e criada para Admont, Museu da Abadia Beneditina de Admont .

Viola Silvestris [latino para violeta de madeira] foi encomendada pelo parque nacional mais jovem da Áustria, "Gesäuse", e pela colecção de arte moderna da abadia de Admont, com 941 anos, situada à entrada do parque no centro da Áustria. 
De 1846-1925, o padre Gabriel Strobl recolheu flores e 20.000 moscas que ele nomeou e indexou sistematicamente. Tal como Strobl com os seus insectos, recolhi sons do parque para construir um quadro natural interrompido por ações humanas, passando a expressões latinas dramatizadas de 41 flores faladas por uma actriz. O drama da separação e do corte leva a um mundo de sons dissonantes rotativos que resistem à integração e permanecem não combinados em tensão. 

O Texto: Viola sylvestris, Alnus incana, Cartaegus Oxyacantha, Berberis vulgaris, Cornus sanguinea, Daphne Mezereum, Helleborus niger, Euphorbia amygdaloides, Salvia glutinosa, Mentha sylvestris, Clinopodium vulgare, Euphrasia Odontites, Prunella vulgaris, Chaerophyllum hirsutum, Viola biflora, Fragaria vesca, Leontondon hastilis, Circaea alpina, Lysimachia nemorum, Festuca rubra gigantea, Aira caespitosa, Carex sylvatica, Agrostis vulgaris, Solidago virgaurea, Pteris aquilina, Asplenium Filix femina, Hieracium murorum, Gentiana asclepiadea, Prenanthes purpurea, Lactuca muralis, Anthoxanthum odoratum, Solidago virgaurea, Aira flexuosa, Hypericum quadrangulum, Luzula campestris, Oxalis Acetosella, Homogyne alpina, Veronica officinalis, Majanthemum bifolium, Hiracium Auricula, Potentilla Tormentilla. 


Impact from Mars - Thomas Gorbach

No dia 18 de Julho de 2011, ao meio-dia, um meteorito de Marte atinge o deserto perto da cidade de Tissint, em Marrocos. Este meteorito está no Museu de História Natural e oscila com a estreia da peça inspirada por ele.
Impact from Mars é uma abordagem composicional a um objecto desconhecido: o seu ser fundamental, a sua natureza química - amálgama - a sua trajectória, como penetra na atmosfera da Terra... Ao cair, a pedra carrega um mistério, inúmeras fantasias da sua origem, mas também de um possível futuro próximo através do seu potencial destrutivo. No processo, um ciclo de pensamentos surge e permanece aberto... Para depois se fechar novamente de forma mais concreta, para se aproximar do desconhecido, do ainda não pensado. Análogo à escuta: O espaço, o tempo, o timbre, a morfologia... e no laço seguinte: a massa, o movimento, a harmonia... seguido de: a direcção, o sinal e a ponderação.
Em Impact from Mars, os gestos musicais atravessam três espaços virtuais de sonoridade diferente em graus variáveis de densidade composicional. Eles colidem, repelem e interpenetram. Em parte em estratificações densamente separadas, depois em transições semi-permeáveis até à permeabilidade completa das camadas. O estranho é absorvido na escuta. 


MISTO - Alla Zagaykevych

MISTO (Cidade) de Mikhail Semenko é uma impressionante paisagem sonora urbana dinâmica, criada através de uma poesia sonora futurista. Um rápido remoinho brilhante de sons da cidade, movimentos de carros de motor, eléctricos... pessoas, fumo de fábricas... e fumo de charuto formam uma declaração dinâmica unificadora, cheia de ritmo interno e energia. 

Mikhail Semenko (1918-1937) - poeta, fundador e teórico do futurismo ucraniano. É considerado uma das figuras principais da Renascença Executada. Semenko foi detido em 1937 e executado pela NKVD.

Alla Zagaykevych (b. 1966) é uma compositora ucraniana que combina actividade em ambos os géneros académicos (sinfónica, câmara, composições electroacústicas, ópera de câmara) e media-arte moderna (performances, instalações multimédia, música para filmes e obras de vídeo-arte).
Licenciou-se no Conservatório Estatal de Kyiv P. Thaikovsky (1990). Em 1995-1996 frequentou o curso anual de composição e informática musical no Institut IRCAM (Paris). Em 1997 criou o estúdio electrónico na Academia Nacional de Música da Ucrânia. Desde meados de 1990 - Alla Zagaykevych é uma promotora activa das tendências académicas da música electro-acústica na Ucrânia, colabora com intérpretes de música electrónica experimental e de nova música de improvisação. Desde 2003 é - Directora Artística dos projectos internacionais "Electroacoustics", "EM-Visia", a. o. Vencedora do Concurso Internacional Musica Nova (2011).e Autora de artigos musicológicos em periódicos científicos. Presidente da Associação de Música Electroacústica da Ucrânia (desde 2010).


**
Angela Lau...
Nascida em Bregenz/Áustria, Angela Lau foi guitarrista desde a infância e produziu as suas primeiras peças de rádio com um gravador de cassetes. Depois de se formar como técnica de som (SAE Viena), completou os seus estudos de intermedia (UAS Vorarlberg), durante os quais compôs a sua primeira peça electroacústica em "Som e Notação". 
Para além do seu trabalho como editora e designer gráfica, também procurou expressão artística. Depois de escrever contos, o encontro com a música acústica renovou o seu desejo de trabalhar com música.
Estudou com Annette Vande Gorne, Thomas Gorbach, Beatriz Ferreyra, ouviu diferentes acousmónios (Motus, GRM, Vienna Acousmonium, INFLUX, Miso Music) e conheceu compositores internacionais.   
Ela explora a interacção entre música, espaço, ouvintes/audiências, movimento interno/externo e técnica (performance).
Actua com o Acousmonium de Viena e o Acousmonium dos Groupes Musiques & Recherches na Bélgica.
Espacialização de peças de mídia fixa (estéreo, multicanal) e electrónica ao vivo (improvisação).